domingo, 22 de abril de 2012

1x03 - part 2 - Dreamworker

Respostas:
Alice: Obrigada. Postando. Fique com Deus. Beijins de estrelas.
Aila: hahahahhaha sua fofa! Sister já to postando. Calma! *--* HAHAH que medo.Obrigada. Beijins de estrelas. Te amo.
Yumi e Raf´s: suas lindas! Obrigadaaaa de coração. Postando, Fique com Deus. Beijins de estrelas.

Dreamworker

        Nossas heroínas chegaram a uma calma e pequena aldeia. Demi montada em seu cavalo e Selena a acompanhado a pé.
- Ainda não posso acreditar - Selena falava toda entusiasmada. - Vieram direto até mim quando eu peguei a espada.
- Talvez pensaram que você fosse uma ameaça. - Demi descia do cavalo.
- Você está esperando o momento certo para dizer "Eu te disse", certo? - Selena amarrava o cavalo a uma madeira costeira, típica em aldeias.
- Não estou esperando que você dissesse isso por mim - o sorriso sarcástico estava estampado nos lábios carnudos e vermelhos de Demetria.
- Não sei o que eu estava pensado. Talvez algo como: "Demi precisa de minha ajuda", ou " Será que consigo tirar um pouco de peso de Demi?".
- Em ambos os casos, não.
- Vou buscar um pouco de comida, te encontro aqui em alguns minutos. - Selena tomou a direção para o comércio e seguiu caminho.
- Boa tarde. - disse um comerciante vendo Demi passar. - Essa é sua amiga? - perguntou o comerciante de altura mediana, idade avançada e cabelos castanhos. que apontava para Selena.
- Sim. Por que? - Demi perguntou enquanto o analisava.
- Por nada.
- Estranhas na cidade, só. - Demi observou que estava no estabelecimento em que procurava. -  O que posso fazer por você? - perguntou o comerciante adentrando a mais no estabelecimentos.
- Preciso de uma pedra de amolar e um pouco de óleo. Ah! -exclamou Demi como se tivesse lembrado de algo - A quem reporto a morte de um salteador?
- Morte? - o comerciante a encarou. - Sua amiga não o matou, matou? - perguntou assustado.
- Não - o homem suspirou aliviado após a resposta de Demi.
- Que diferença faz se ela matou ou não? - perguntou Demi desconfiada.
- Hey, Elkton, dê o fora daqui. - ordenou o comerciante ao um senhor de muita idade que entrava com uma bengala na loja.
- Eu sei me desculpe. Não viria aqui, mas meu cavalo perdeu o cabresto. - O senhor era cego.
- Fora, agora! - guiava o homem o senho para fora.
- Por favor... Não posso guiá-lo bem só com uma corda. - implorava o senhor.
- Estou avisando, velho. Saia!
- Por que apenas não vende a este homem o cabresto? - pergunta Demi.
- Por que não faço negócios com tipos como ele.
- Mas eu não sou mais um místico! - argumentou o senhor Elkton.
- Um grifo não pode mudar suas pernas. - dizia o comerciante começando a se irrita. - Místico, ex-mística e tudo a mesma coisa. Fora! - ele empurrou ove lho para fora a força. Então ele se virou para Demi. - Claro que isto foi cruel, mas ele é um deles. Então... queria uma pedra de amolar, não? Não, mudei de ideia. Preciso de um cabresto para meu cavalo.

Selena entrou intrigada em uma loja de armas, como não havia ninguém ali, ela examinou a lâmina de uma bela espada.
- Hey! O que está fazendo? - rapidamente Selena repôs a espada no lugar ao ouvir a voz do dono da loja.
- Não está aberto? Claro que está aberto, mas o que faz na cidade? Você deveria estar a beira das águas até o solstício. A menos que não tenha nenhum motivo para temer Morfeu. - Selena estava confuso e tentava digerir tudo o que o comerciante falava, mas o último nome que pronunciou lhe chamou a atenção.
- Morfeu? O Deus do sonhos? Por que o temeria?
- Você deve ser experiente então - disse o mercador satisfeito.
- Sim... Claro que já tive muitas experiências - mentiu Selena. - Você é sempre assim, tão intrometido?
- Eu deveria saber. Do contrário, por que estaria na minha loja? - soo como uma piada a frase do mercador. - Quer substituir seu armamento? - perguntou ele interessado. - Você perdeu sua arma favorita em combate, não é?
- Como sabe? Uma grande batalha! - Selena enfatizou a palavra 'grande'.
- Você não parece uma guerreira. -ele a examinou de cima abaixo. - Sim, está é sua força. - ele falou como se descobrisse algo realmente importante. - Agora deixe-me ver o que eu posso te mostrar - ele caminhou até a jovem e examinou a espada que ela observava. - O aço é das minas albanesas - dizia ele enquanto equilibrava a espada.
- É a mais bela espada que eu já vi - ela estava extremamente impressionada com a lâmina a sua frente. - Acredite em mim, eu já carreguei muitas - Selena continuava a mentir. O comerciante soltou a lâmina nas mãos de Selena que quase derrubou a espada, e a pôs rapidamente de volta ao ligar. - Acho que algo mais... delicado.
- Deixe-me ver o que eu tenho aqui. - ele segurava a mão uma adaga pequenina com o cabo dividido em duas partes. - É uma adaga de peito.
- Você quer dizer que foi feita para perfurar o inimigo até seu coração?
- Não... - ele ficou constrangido - Não exatamente. - o comerciante tomou impulso e encaixou a adaga entre os seios de Selena, que de primeira recuou mais entendeu a final. O cabo dividido em duas parte foi feito para se encaixar ao seios.
- Uma agada de peito! - exclamou ela. - Sim... eu gostei.