domingo, 8 de setembro de 2013

Capítulo 6 - Qual é esta pista?

Cp 6

Joseph não sabia como um anjo de lindos cabelos avermelhados caiu do céu direto para aquele inferno do turbilhão de sentimentos e de desejos carnais. Ele só sabia de uma coisa; ele a quer. Quer devora la e ouvir o grito de seu nome nos braços daquele que a possuirá. Quer retirar toda pureza daquele anjo e transfora la em elemento de possessão. Penetrar em sua alma e a fazer dele.
- Sim, madrinha? - o sorriso falso era óbvio.
- Desça, quero introduzi-lo a nossos novos hóspedes. - ela guinchou no braço do forte cavaleiro que a guiou até a mesa do almoço. - Este é nosso afilhado, Joseph Jonas. Está é a Srta. Hudgens.
- É um prazer conhece-lo. - Vanessa esticou os lábios de maneira travessa.
- O mesmo, senhorita... - os olhos cheios de luxo de Joseph brilharam.
- E o Sr. Efron.
- Já ouvi muito sobre o Sr. - Zac levantou uma sobrancelha ao pronunciar a frase.
- Espero que só coisas boas.
- Talvez...
- Sente se, afilhado. - Sr.Wilson pronunciou sem delongas.
- Já fiz minha refeição, padrinho.
- Faça nos companhia. - Rubia foi mais delicada.
- Estávamos falando de um assunto que o interessa, Joseph. - a informalidade de Ian era evidente - O serial killer.
- O pegaram?
O silêncio no local foi crítico.
- Pretendemos. - Zan o informou.
- Tem alguma pista? - Joseph queria respostas.
Ian limpou o canto da boca e se levantou.
- Com licença. Joseph, faça me o favor. - Ian o chamou.
Joseph fez uma rápida reverencia que logo foi retribuída por todos e então se retirou. Seguindo o Sr. Somerhalder até a sala de música ele os trancou.
- Joe? - a denuncia de que toda formalidade foi jogada fora se presenciou.
- Ian... - Joseph se virou e encarou o piano.
- Temos uma pista.
- Qual é esta pista?
- Você. Joe, seu pai foi morto há 10 anos atrás. Como ele foi morto?
- Afogamento. - frieza era a unica coisa que definia o tom de voz do rapaz.
- 2 anos após a morte de seu pai sua babá de infância foi morta. Como?
- Foi jogada no poço da cidade.
- 3 anos após...
- Minha unica avó viva faleceu no banho.
- 4 anos após...
- Meu irmão morreu com água envenenada.
- Há 10 meses atrás...
- Minha mãe foi morta...
- Alguém a torturou com água ácida. Sabe quem morreu esses dias?
- Sr. Frances. Meu primeiro professor.
- Ele foi acorrentado e jogado no rio. Sabe se lá quem mais morreu nesse período de tempo. Quem vai ser o próximo, Joe? Seu padrinho, o Nick, o Liam? Quem for esse ser tem algo haver com você e algo muito forte.
- Você acha que eu não percebi isso, merda? - Joseph socou o piano de mármore. - Por que você acha que eu estou neste fim de mundo? Estou me escondendo, Ian. - o tom de frieza usado pelo homem virou raiva.
- Mas ele te achou.
- Eu não tenho mais para onde ir. - e o que ele mais poderia temer poderia acontecer.
- Pegaremos este cara. Você só tem que me ajudar. O intervalo entre as mortes de conhecidos está diminuindo, significa que algo aconteceu para ele voltar a tona desta maneira. A assinatura dele é a água.
- Prometo que farei tudo o que puder. - Joseph fitou Ian, que e seguida o abraçou. - Proteja está casa, Ian, por favor.
- Mandarei os meus mais confiáveis guardas. - eles se soltaram. - Cuide se, amigo.
Assim Joseph permanecera sozinho na sala de música.
Nada fazia muito sentido desde a morte de seu pai. Joseph sempre fora forte e sabia se defender, mas quando se tratava de assuntos tão meticulosos com vínculos familiares ele nunca fora o mais indicada para lhe dar com emoções. Seu pai fora seu herói da maneira mais brusca na cabeça de um garoto que era um adolescente quando a morte o acertou, tudo mudara de tal forma que o adolescente teve que instantaneamente se tornar um homem para sustentar a família. E no mês seguindo após o falecimento do pai descobrira que sua mãe estava grávida. Joseph começou a trabalhar, trabalhar em tudo e em qualquer coisa, tudo para conseguir alimentar sua família. Fora ocorrendo um desastre atrás de outro... Até Joseph vir parar onde parou.
A casa dos Jonas sempre fora modesta, pai, mãe, babá, avó e um cachorro. O Sr. Jonas trabalha como agricultor em uma plantação de milho, a mãe cuidava da casa e da educação de Joseph, que nunca fora para a escola, a babá tratava das necessidades do garoto, além de auxiliar na arrumação da casa, e o cachorro sempre fora o sonho de consumo do menor na casa dos Jonas, e quando Joe aos 9 anos ganhou Brutos ele fora realizado. A casa nunca fora tão normal desde então... Risadas, festas e muita alegria prevalecera. 
Sentado em sua poltrona depois de uma segunda feira brava de trabalho o homem observou o filho brincar e sorriu.
- Joe? - o pai queria a atenção do filho.
- Sim, papai? - sem hesitar o menino lhe ofereceu carinho.
- Venha aqui,  - Joe se sentou no colo dos joelhos bambas do pai - posso lhe contar um segredo? - o garoto balançou a cabeça em sinal positivo. - Quando chegar a hora de encontrar sua mulher, meu filho, só garanta uma coisa, ela deve possuir eterna juventude. Não estou falando de beleza, Joe, estou falando do coração. A juventude que ela guardar no coração deve ser eterna. O sorriso, mesmo depois de velha ainda deve existir. A afeição amorosa, mesmo que complicada deve ser demonstrada e presente na união entre vocês. As brincadeiras e a ligação deverá ser tão forte quando ao primeiro toque. Faça dela uma chama de paixão e amor que nunca apagará, mesmo se a vela estiver gasta e exposta a chuva. Nunca esqueça de ser feliz ao lado de quem ama e fazer felicidade. Me promete? 
- Prometo, papai. 
- Quando estivermos velhos e capengas cuidará de mim e de sua mãe como cuidamos de você? E sustentará a família com o que puder?
- Claro, meu pai. 
Naquela mesma noite ele foi morto.
- Sr. Jonas? - a voz aguda se anunciou no comodo. 
- Srta. Hudgens? - ele se virou a encarou a morena com um belo vestido verde, que realçava seu tom de pele e dava vida aos cabelos negros e encaracolados preso a um penteado requintado. - Há que devo a honra?
Vanessa fechou a porta atrás deles. Se aproximou e encarou o olhar ainda triste de Joe, por estar se relembrando do passado. A mulher contornou o peitoral de Joseph com um dedo demonstrando um tanto que de desejo.
- Gostaria de lhe fazer um convite.
- Estou as ordens. - o olhar cabisbaixo cedeu lugar ao sorriso safado.
- Sabe onde é meu quarto? - ela se aproximou de tal maneira que roçou os lábios no pescoço do homem a sua frente.
- Faço uma ideia...
- A porta estará aberta esta noite. - uma mordida foi dada no pescoço exposto do Sr. Jonas, após a Srta. Hudgens se retirou. 
Com a chegada da tarde a chuva começou.
                            ******
Respostas;
Kika; awwwn sua fofa! Ja postei! Espero que goste *-* beijos
Karoline; somos duas! Te deixei esperando muito? Vai valer a pena! Você suspirara muito com essa historia ! Beijos
Scarleer; muita coisa vai rolar! Kkk muita! Obrigada. Beijos.
Fã forever; kkkkkk ninguem agüenta :3  postando# beijos
Giulianna; #postando
Anônimo; obrigada pela divulgação....

E ai garotas, gostaram? Beijos! 

6 comentários:

  1. Oxeeeeeeeee
    Essa fic vai dar um nó na minha caxolaaaaa...
    Vanessa safadinhaaaaaaaa rum
    tu vai ver só vou contar tudinho p Demi kkkkkkkkkkkkkkkk
    a loucaaaaaaaa,sim sim e sim
    valeu muito a pena esperar o cap ele tá incrível e misterioso
    adogooooooooo
    Bjus

    ResponderExcluir
  2. Livinha ainda não sei se te pediii
    mais se não vc pode ajudar a divulgar meu blog?
    Bjus

    http://eusonhocomjemi.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Ta muito lindo
    Vanessa safada
    Fiquei curiosa hein
    Posta logo
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Que safados 'o' kkkkkkkkk
    Cara, eu já disse como amo estórias com Serial Killers ou psicopatas? *-*
    Estou louca pra saber quem é esse assassino!!
    Posta logo <3

    ResponderExcluir
  5. Tá Perfeito to ansiando mais momentos Jemi Posta logo

    ResponderExcluir
  6. Aii essa Vanessa Assanhada o Joe é da DEmi POsta logoo

    ResponderExcluir